Um apostolo tem que estar ligado á um profeta.” – Apóstola Tina

Apóstola Tina foi evangelizada por uma das filhas no ano de 1995 em Londres, Inglaterra. Frequentou uma Igreja de Reavivamento e nesta altura Deus começou a falar para a sua vida. Sensível ao espírito Santo recebeu a mensagem de Deus através da Bíblia no livro de Mateus 10.8 “curai enfermos, ressuscite mortos, expulsai demónios, de graça recebeste, de graça dai.”

Nesta entrevista, a Apóstola fundadora do Ministério de Fé e Libertação, responde abertamente questões sobre Ministério, profetas, apostolado e intimidade com Deus. 

Revista Supremo (R.S): Como é que avalia o movimento profético que vem crescendo em Angola?
 
ApostolaTina (A.T): Devemos estar mais atentos e ligados a palavra de Deus. Isso é o melhor! Porque um verdadeiro profeta está ligado a palavra de Deus, um verdadeiro profeta deve estar debaixo de uma liderança. O que se vê em Angola é que muitos profetas não têm maturidade espiritual.
 
R.S: É muito conhecida por ser a líder espiritual das figuras públicas. Assume esse papel?
 
A.T: Eu assumo. Quando vêm a mim ou quando me chamam eu ensino sempre a palavra. Peço para confessarem e meditarem a palavra de Deus. Mas para muitos eu não sou bem-vinda, porque quando me procuram eu quero saber como está a sua vida, se a vida não está em ordem eu entrego a palavra para meter a vida em ordem. Porque Jesus ama o pecador mas aborrece o pecado. Muitos deles saem da Igreja porque não querem ouvir a verdade e estar debaixo de uma liderança.
 
R.S: Qual é a avaliação que faz do desenvolvimento do Ministério de Fé e Libertação?
 
A.T: Maturidade. Completamos esse ano dezoito anos de existência. Na minha análise noto bastante crescimento, apostamos bastante no treinamento dos membros, principalmente na liderança. Quero apresentar um ministério com bastante conhecimento e capacidade. Agradeço a Deus pela maneira como me tem conduzido e usado como instrumento para guiar o Ministério.
 
R.S: Quando nos fala em Fé e Libertação do que se trata em concreto?
 
A.T: O que Deus colocou no meu espírito é para pregar uma palavra de fé, no ministério eu só prego a palavra de fé. E quando falo em libertação é conforme diz a palavra de Deus “libertai os cativos”, é libertar, quebrar as amarras do pecado, da bruxaria e de outras coisas que aprisionam o ser humano.
 
R.S: Ao lado de uma apóstola é comum vermos um apóstolo. Por que que é diferente no Ministério de Fé e Libertação?
 
A.T: Nesse momento o Ministério de Fé e Libertação tem apenas a Apóstola, o futuro só Deus sabe. Mas muita gente não conhece a função de um apóstolo. O apóstolo está para corrigir as Igrejas quando há heresias e visão errada. Uma Apóstola não precisa necessariamente de um apóstolo. Um apóstolo tem que estar ligado a um profeta, têm que andar juntos, porque o apóstolo corrige e o profeta vê.
 
R.S: Como ocupa a maioria do seu tempo e como são suas experiências com Deus?
 
A.T: Eu passo a maior parte do tempo em intimidade com Deus, falando e ouvindo Deus. Fico muito tempo fechada em oração buscando Deus para ouvir e receber dele. 
 

Para pregar a palavra eu tenho que ouvir Deus, não basta ser teólogo e ter toda informação bíblica, é preciso ouvir o espírito santo, se não ouvir o espírito santo eu sou uma carnal que prega informação e não revelação, e quando se prega informação os crentes entram e saem da mesma forma.

 
R.S: O que representa o Siló no Ministério de Fé e Libertação?
 
A.T: O Siló é uma visão que Deus me deu. Nós começamos com o Siló em 2007. O Siló baseia-se na história de Ana, que precisava enfrentar sua rival Penina e todos os anos ia determinada a tenda de Siló. Então, Siló é um local de oração, de busca e de choro para todo o tipo de necessidades, onde reunimos todos os anos no último sábado do mês de Dezembro mulheres de várias denominações religiosas de Angola e do exterior.
 
R.S: Angola vive um momento socio-economico difícil. Que mensagem gostaria de deixar as famílias angolanas?
 
A.T: Se analisarmos a bíblia, vamos perceber que sempre houve momentos de grandes crises. A palavra que eu deixo para o povo angolano é de que não podemos nos esquecer de Deus. Há tempo para tudo, para semear e para colher, de chorar e rir. Estejamos todos confiando em Deus, ELE é Deus de provisão e de suprimento. A prioridade deve ser buscar a Deus porque ele tem poder para mudar a situação. Vamos orar!
 
Entrevista: Gerson Santos
Fotografias: Aílton Silva

Comente

Instagram did not return a 200.