Pai Abraão – O Ministério Cazenga representa a raíz de todos os ministérios da Assembleia de Deus Pentecostal

Nasceu em Luanda na ilha do cabo, e como a maioria dos jovens naturais desta região de Angola dedicava-se a pesca. Falo-vos daquele que é conhecido por todos como o Pai Abraão.
Joaquim Manuel é o seu nome de registo, é Reverendo do Ministério Cazenga da Assembleia de Deus Pentecostal.
Aos 91 anos de idade, casado e pai de nove filhos, é certamente a mais autorizada viva voz a falar da Assembleia de Deus Pentecostal em Angola.
Com a sua voz imponente e trato fácil, recebeu-nos nas instalações da igreja matriz do Ministério Cazenga com mais de meio século de existência, e debitou aos nossos microfones detalhes da sua trajetória e do surgimento da Assembleia de Deus Pentecostal em Angola.

Revista Supremo – Quem é o Pai Abraão?

Pai Abraão – Eu nasci em 1928 aqui em Luanda na ilha do cabo, meus pais são Ilhéus. Fui pescador, mas pela graça de Deus ELE me chamou para ser pescador de homens. Dou graças a Deus que me chamou para pescar o povo que hoje está a conhecer o que é a porta estreita, porque a porta larga é de medicação mas a porta estreita é de humilhação, obediência e de conhecer como andar para a vida eterna.

 

RS- Como é que foi o chamado de Deus na sua vida?

PA- A minha chamada foi em 1953, Deus me tirou do Porto Amboim para Luanda para vir comunicar a palavra de Deus e continuo a comunicar até ao dia em que ele me chamar, porque sou passageiro e o passaporte é ELE.

 

RS- Nasceu numa família cristã?

PA- Eu nasci numa família que não era cristã. Mas ele me chamou e disse ide e anunciai o evangelho para pescar homens.

RS- Qual foi a reação da família?

PA- A família ficou admirada e não quis que eu seguisse esse caminho, mas eu disse: Vou porque ele me chamou para anunciar o seu nome. O dono da vida quando chama ninguém pode recusar, quem recusa perdeu a vida.

RS- Como é que o Pai Abraão entra para Igreja?

PA- Deus me chamou, sou o fundador da Assembleia de Deus Pentecostal em Luanda e que se espalhou por toda Angola e hoje se multiplica pela voz que Deus lançou.

RS- Como começa o Ministério Cazenga?

PA- O Ministério Cazenga começa quando Deus orientou que além de orar e meditar eu devia começar a evangelizar em todo momento e em toda hora nos lugares onde ele me mandou ir. Fui a muitos lugares onde ele me mandou, Porto Amboim, Luanda, Catete, etc..etc.

 

 RS- O Ministério Cazenga foi o primeiro da Assembleia de Deus Pentecostal em Angola?

PA- O Ministério Cazenga do qual eu sou o fundador, é que comunicou todos os santos que estão em Luanda. O Ministério Cazenga representa a raíz de todos os ministérios da Assembleia de Deus Pentecostal, por isso me chamam Pai Abraão.

RS- Como foi o processo de surgimento do Ministério?

PA- Foi de muita perseguição. Mas Deus sempre me disse: Seja firme, eles vão passar. E muitos já foram eu ainda estou aqui. Tive muitas dificuldades no princípio por causa da preguiça e das desculpas da parte carnal. Mas assim como o nosso Senhor Jesus Cristo eu olho para cima e não olho para o mundo.

RS- Quem são os homens que começaram o Ministério com o Pai Abraão?

PA- Posso citar o Pastor Fernando Panzo e o Pastor Araújo são os dois primeiros filhos que receberam de mim etse conselho espiritual, e também o Francisco Sebastião que ainda continua. Alguns já se foram deste mundo outros ainda estão conosco e continuam a propagação do evangelho.

 

RS-  Mas o Movimento Pentecostal não nasce em Angola. Como é que ele surge no nosso país?

PA- Foi por intermédio de um servo de Deus que veio da América. Por volta dos anos 1940 esse servo americano veio para Angola e dirigiu a palavra de Deus ao nosso servo amado Pastor Cartaxo Martins.

O pastor Cartaxo Martins quando recebeu aquela palavra andou pelo país, comeu com as mãos em várias comunidades e viveu dificuldades para levar a palavra. Eu recebi o evangelho do Pastor Cartaxo Martins. Foi ele que deixou em mim esta chama. Eu creio que ele está na porta estreita de Deus lá em cima.

 

RS- Naquela época vivia-se a repressão colonial. Como é que era servir a Deus?

PA- Vivemos uma perseguição muito grande. 

O Estado da época determinou que não se devia comunicar o nome de Deus. Mas como Deus é o dono da vida continuamos assim mesmo na perseguição, continuamos na oração e entregamos nas mãos de Deus o governo até que Deus dirigiu e deu a liberdade.

RS- Que formas de repressão mas sofreram naquela época?

PA- Eram mais proibições e prisões. Eu já fui encontrado a orar por alguns elementos do estado e foram fazer informação de que estávamos a reunir na igreja do Cazenga. Mas a verdade de Deus prevaleceu.

RS- Como é que a Igreja resistiu a repressão colonial?

PA- Jejum, oração e vigília. Esse é o segredo. Comer mas não esquecer de orar e jejuar.

 

RS- Havia divisões regionais da Igreja em Angola?

PA- Na Assembleia de Deus Pentecostal não! No norte, no sul, no centro a direção era a mesma e até agora continua sendo assim.

RS- Como é que avalia o estado da Igreja em Angola?

PA- Aqueles que estão fora da comunhão devem deixar de praticar o que praticam.

O verdadeiro evangelho de Cristo diz que o milagre vem de Deus não vem do homem. O espírito de Deus é que dirige, ninguém pode dizer eu fiz, Deus é que faz. Porque Deus é que envia o seu espírito Santo para poder modificar as pessoas e curar os enfermos.

RS- O que acha da intervenção do Estado sobre as igrejas?

PA- O estado quer regular aqueles que fazem o mal, que estão a abrir igrejas por interesses pessoais. Os que fazem o bem devem manter a mesma posição. Para quem está a seguir o exemplo de Cristo venha o que vier ELE não falha nem enfraquece.

 

RS- Como é que avalia a passagem de liderança de Pai para filho a nível da igreja?

PA- Graças a Deus o Pai é Pai e o filho tem que olhar para o pai e seguir o exemplo dele, porque se o pai chegou a idade que chegou é porque alguma coisa boa ele praticou. O filho deve obediência ao seu pai, quando desobedecer ao pai está a desobedecer a Deus.

Mas na transição é o espírito Santo de Deus que coloca a direção para todos e vê quem poderá ficar no temor de Deus como foi o seu pastor. Deus revela mediante o seu povo e o povo concorda sobre com quem ficará a tomar conta do lugar do Pastor. Não importa que seja filho ou não do Pastor, Deus dá sinais e o povo e o Ministério cuidam do assunto.

 

RS- Que conselho quer deixar aos jovens que cada vez mais cedo assumem posições no ministério cristão?

PA- Chamo atenção para que atentem para humilhação divina e se humilhem perante Deus. Façam mudanças na sua vida espiritual deixando a parte carnal. Sejam humildes e obedientes, guardem os conselhos espirituais e os conselhos do seu pastor. Sou assim o jovem é exaltado com o exemplo do seu sumo sacerdote.

 

RS- Qual o segredo da longevidade do Pai Abraão?

PA- Cumpro o que o Senhor determinou. 

“Ele disse: Quem me ama deixa tudo e busca as coisas de cima”.

RS- Como é que gostaria de ser lembrado?

PA- Deus que é o dono da vida vai dirigir a posição pela qual serei lembrando.

Quanto ao povo a palavra de Deus recomenda: Lembrai dos vossos pastores que vos falaram a palavra de Deus.

 

Entrevista: Gerson Santos

Fotografias: Kelvin Cardoso    

Comente

Instagram did not return a 200.