Movimento Cristão para o Avivamento reúne lideres para reflexão.

O grupo surgiu em 2007, apenas como uma agremiação de jovens movidos pela sede por mais de DEUS que se juntou para buscar a face do SENHOR no quarto do irmão Feliz Paulo, hoje pastor e bastante carismático no movimento.

Foi deste rio que emanou a vontade de trazer a manifestação do AMOR de DEUS para a nação angolana. Já se passaram 12 anos e são inúmeras as actividades realizadas pelo MCA (Movimento Cristão para o Avivamento).

São incontáveis as campanhas de evangelização, vigílias, sendo que a de maior realce acontece a 11 de Novembro, onde centenas de jovens dedicam todo o dia a orar a favor de Angola.

Vários jovens foram alcançados em acampamentos realizados pelo MCA, e fruto destes o grupo prossegue.

O movimento é inter-denominacional e está é a primeira vez decidiu convidar apenas líderes, pastores e homens de DEUS para reflectir sobre a necessidade da união do corpo de Cristo. Aliança Cornélio foi o músico convidado para tomar a responsabilidade de dirigir a adoração nesse encontro.

O primeiro painel trouxe a reflexão dos presentes o seguinte tema: O posicionamento da igreja diante da sociedade.

Um dos temas mais debatido foi: O que a igreja pode fazer para influenciar a sociedade. Sendo que se entendeu que a Igreja tem um papel maior na pregação do evangelho do que na acção social. Um ponto bastante enfatizado pelo pastor Mayomona Afonso, que considerou ser fundamental entender o porquê JESUS deu uma missão a sua Igreja. O homem de DEUS entende que o “papel da Igreja nunca será substituído pelo Estado, a igreja tem um dever de suprir a necessidade espiritual do homem que é salvação em Cristo”, rematou.

Para o Pastor Feliz Paulo não haverá influencia da igreja sem maior abertura ao mover do Espírito Santo, ele entende que se JESUS mandou esperar os seus discípulos pela vinda do Espírito Santo para se inaugurar a sua Igreja, nós não seremos diferentes. Precisamos sim de ser mais igreja, e como se fica Igreja? Sendo apenas igreja, do mesmo modo como para se ser um bom pai nada é mais requerido do que isso mesmo.

O pastor Sadrack Lufuankenda entende que “deve haver uma clara separação entre as parcerias com o Estado, porque muitas vezes fruto de muitas parcerias se perde a essência do evangelho”. Ele entende que o evangelho não muda apenas as pessoas, mas mata elas e as torna verdadeiramente novas pessoas. É necessário levar o evangelho as pessoas sem que com isso se perca de vista a acção social que pode acompanhar esse trabalho. Bastante interactiva a plateia, houve lugar para todos quanto quisessem debruçar livremente sobre cada um dos temas.  

O estado espiritual da nação foi também um dos temas abordados, o prelector foi o pastor Sadrack Manuel, discorreu sobre o surgimento da igreja em Angola desde a época colonial até aos nossos dias. Angola ainda é um país com uma espiritualidade política, considerou o pastor que afirmou que se justifica pelo facto de os angolanos terem sido vítimas do sistema que imperou desde muito cedo em Angola. Deveria ser o contrário, a política é que deveria ter um pensamento baseado nos princípios da igreja, mas infelizmente não é.

O mais grave erro da nação angolana é que não somos um só povo e uma só nação em nada, nem na política, nem na igreja, nas famílias etc.

o Corpo de Cristo em Angola deveria ser sim muito mais unido. “Nós precisamos ganhar consciência que a mensagem do evangelho está acima do interesse de todos e de cada um. Quando nós brilharmos como igreja em Angola tudo vai brilhar, incluindo a política da nossa nação”, rematou.

É preciso também que haja humildade se quisermos unir essa nação, a proliferação das igrejas segundo o pastor é também devido a falta de humildade. Só não somos um corpo em Angola porque falta-nos humildade considerou o carismático pastor.

Comente