“Angola não está contaminada pelo vento da Heresia” Pr. Osvaldo Júnior.

Propagação do Evangelho de Cristo, Visão dos Jovens Angolanos e Ministério Profético, foram os assuntos que dominaram a conversa da Revista Supremo com o Pastor Brasileiro Osvaldo Júnior. É a 24° vez que o Pastor do Ministério Belém da Assembleia de Deus em São-Paulo vem ao nosso país desde a primeira vez em 2014.

R.S: O que lhe traz tantas vezes para Angola?


O.J: O que me traz para cá é a chama do amor que Deus acendeu no meu coração por Angola.
R.S: Quando vem para Angola, como é que propaga o evangelho de Cristo?


O.J: A pregação do evangelho é o primordial para a salvação das almas. Eu fico muito feliz quando venho a Angola, porque ainda não está contaminada por alguns movimentos de heresia que há em outros países. Aqui as pessoas prezam muito pelo ensino da palavra e pelo amor da palavra. Faço também acções sociais de movimento solidário normalmente no final de ano em algumas comunidades, porque é uma forma de levar a palavra de Deus.
R.S: Vem sempre a convite de outras denominações ou o seu Ministério está também fixado em Angola?


O.J: Eu pertenço a Assembleia de Deus no Brasil. Venho muitas vezes convidado para a conferência do Abala Luanda, venho também muitas vezes nessa época convidado para a conferência provincial no Kilamba-kiaxi e pelo Ministério Bethel.


R.S: Tem vindo a Angola desde 2014, como é que avalia o impacto do evangelho de Cristo nessa nação?


O.J: Tenho visto um crescimento muito grande. Há muita procura e muita sede de aprender a palavra de Deus, por sinal os obreiros são grandes visionários porque adquirem grandes espaços para as Igrejas, por tanto, eu tenho analisado e vejo que de 2014 para cá o crescimento tem sido impactante.


R.S: Na sua visão o que deve mudar na maneira como é propagado o e tratado o evangelho em Angola?

"Eu penso que muitos dos novos profetas são mais ilusionistas do que profetas na essência da palavra."

O.J: Eu acompanho muito as redes sociais de Angola e principalmente da Assembleia de Deus, e uma coisa que me incomoda um pouco, devo dizer que é algo que vocês vivem hoje e nós no Brasil vivemos a há cinquenta anos, é que há uma parte dos jovens que distorcem a interpretação da Bíblia, uns por falta de tempo para buscar a realidade e outros por causa dos tais pais espirituais que eles têm mas que os pais nem os conhecem. Então, eu acho que a pregação está sendo feita de forma maravilhosa, o que se precisa é valorizar os mais velhos do país, a referência dos jovens Angolanos devem ser os mais velhos angolanos.


R.S: Acha que não é o mais ideal os jovens Angolanos terem referências estrangeiras? 


O.J: Sim! Eu tenho certeza que as referências nacionais são suficientes para guiar os jovens e adolescentes num excelente caminho. 

Homens como o Reverendo Alfredo, em memória, que orientou ao Pai Abraão que viesse a Luanda, homens como o Reverendo Francisco, Reverendo Troco Nunda, Reverendo Adão Malúa, Reverendo José Carlos, Reverendo Neves de Sousa, entre tantos homens, que Deus tem levantado e têm feito grandes coisas tanto na área espiritual como administrativa. 

Então, no meu modo de ver, as grandes referências para os jovens Angolanos estão bem próximo deles.


R.S: Espera brevemente liderar uma igreja?


O.J: Cada um tem uma chamada, uns para louvar, uns para cuidar da igreja, outros para administrar e outros para pregar o evangelho. Eu fui chamado para pregar o evangelho e por agora Deus não acendeu a chama no meu coração de pastorear uma igreja, mas se isso acontecer e Deus me trouxer para Angola eu vou estar debaixo de um ministério que já existe, porque não vejo necessidade de um novo Ministério, já temos grandes Ministérios fazendo grande obras.


R.S: Como avalia o crescimento do Ministério Profético em África?


O.J: Angola tem o Brasil como referência de muitas coisas, e infelizmente algumas coisas que começaram no Brasil nós já sabemos o resultado.
O ministério profético, biblicamente falando, a profecia é a palavra de Deus. Eu penso que muitos dos novos profetas são mais ilusionistas do que profetas na essência da palavra. Porque na bíblia o profeta era usado por Deus. 

Deus enviava o profeta Isaías para uma missão e ficava dez ou quinze anos sem chamá-lo para entregar outra missão novamente, mas os profetas actuais a cada culto têm oitenta profecias e no final sempre tem um envelope para que a pessoa traga uma oferta. Então, eu vejo que são profecias vinculadas ao interesse pessoal. Acredito que Deus usa pessoas e acredito nos dons espirituais, mas a maior profecia é a palavra de Deus.

R.S: Que mensagem quer deixar para os líderes religiosos angolanos, que têm um país maioritariamente jovem?


O.J: Acreditem na juventude, valorizem a juventude. Existe uma falsa mensagem que diz que os jovens são trabalho e trazem problemas. Não! Os jovens são a força da Igreja, o jovem contagiado pela palavra e pelo espírito Santo ele produz muitos frutos para a igreja, eles são o futuro da Igreja, então nós temos que semear neles.


Entrevista:Gerson Santos
Fotografias: Ailton Silva/Kelvin Cardoso

Comente