Ainda que esteja morto viverá -O grande Testemunho da Apostola Tina.

Casada e mãe de 5 filhos, Apóstola Tina é muito conhecida por ser a  líder espiritual de várias  figuras públicas do nosso  País.
O que poucos conhecem é a grande prova porque passou a mulher que lidera a Igreja Ministério de Fé e Libertação.
Apostola Tina, recebeu a equipa da Revista Supremo no seu escritório e num registo bastante emocionado expôs as linhas da grande prova.

De  1996 á 1999 nós éramos apenas um Ministério de intercessão, era só orar e orar, para estabelecer as bases de criação do ministério. Nesse intervalo, isso no ano de 1998 houve um período terrível. Num dia eu fui fazer um trabalho de libertação em casa de uma irmã. Está irmã era uma mulher formada há dez anos mas que vivia em péssimas condições. 

E eu quando visse uma pessoa formada sem benção e sem progresso eu ficava com raiva do diabo.

 Cheguei a casa da irmã e comecei a orar a uma medida que a estrutura do casa estremeceu. Quando saímos de lá, recebi uma mensagem da parte de Deus de que devia dizer as pessoas que estavam comigo, as minhas discípulas, para ligarem aos filhos e pedir que não saíssem de casa naquela noite. Fui para casa, e reparei que o meu filho mais velho, na altura com 19 anos estava deitado na cama. Passado algum tempo, quando eram 20 horas sentei-me para assistir ao Telejornal, quando de repente alguém nos bate a porta dizendo que o meu filho tinha sofrido um grave acidente.Fiquei incrédula porque o tinha visto horas antes na cama a dormir, mas quando fui para lá novamente vi que não estava mais. Não entrei em pânico!
Fui até ao local, mas quando lá cheguei já o tinham levado para uma clínica. O que sei é que ele fez uma curva em alta velocidade de motorizada e não percebeu o obstáculo, chocou e foi projectado para o ar e quando bateu no asfalto o impacto foi tão forte que as sapatilhas saltaram dos pés e a estrada ficou toda ensanguentada.
 
Quando cheguei a clínica a primeira coisa que notei foi a imensa quantidade de sangue espalhado pelo corredor. Falei com a médica de plantão e a primeira coisa que me disse foi: não sei se o jovem vai viver. Minhas irmãs começaram todas a chorar e eu disse: não chorem!
 Eu creio nesse Deus que me chamou.

Os médicos fizeram o que tinhas que fazer naquela noite, mantiveram-no internado e nos mandaram ir para casa e voltar no dia seguinte. Naquela noite, voltei para casa e estava sentada na minha cadeira sozinha, quando ouvi a voz do SENHOR dizendo: 

Tina não temas, esta é a primeira prova. Se tú me amas ou não me amas. Ainda que esteja morto viverá. 

Me coloquei de joelhos e disse: SENHOR, aconteça o que acontecer, não importa o que o mundo vai dizer, eu nunca te largarei. Desde aquele dia abracei a palavra de JOÃO 11 e fiz o meu pacto com Deus. No dia seguinte, fui ao hospital, ele estava nos cuidados intensivos e passou por um exame de TAC. O médico olhou para mim e disse: Vamos fazer vários exames, talvez o seu filho não volte a ver, talvez fique paraplégico ou se torne doente mental. A senhora pode contar com tudo isso. Eu disse ao médico: Faça conforme a ciência médica manda e eu vou falar com o meu Deus. Quando eram 18 horas do mesmo dia, o médico chamou-me e disse: Tem 72 horas para o teu filho reagir, caso contrário a Senhora pode contar com ele para a morte.
 
Ouvi o que o médico disse e fui para a minha casa. Passadas menos de 24 horas, voltei para lá. O mesmo médico olhou para mim e perguntou quem a senhora é? Eu disse: por que o senhor me faz essa pergunta? Ele disse: perguntamos o nome do seu filho, data de nascimento e filiação e ele falou. Então ele está a reagir, eu como médico não sei explicar mas estamos a ver sinais vitais. Reuniram especialistas em oftalmologia, otorrinolaringologia e ortopedia, mas não foram encontradas lesões nem na visão, nem na audição, nem nos ossos do meu filho. Os médicos concluíram que a figura deformada do meu filho eram apenas inchaços e o retiraram da UTI.
 Apesar da enorme quantidade de sangue vertido não foi necessária nenhuma transfusão. O sangue que está lá até agora é um sangue não corrompido.
Hoje o meu filho é engenheiro informático, contribui com o seu saber para o desenvolvimento do país e serve a Deus no Ministério de Fé e Libertação. Muitas pessoas largam o Ministério após uma prova. A primeira prova que Deus me fez foi em relação ao meu próprio filho. Aconteça o que acontecer nunca vou largar a palavra até ao dia em que o SENHOR vier buscar a sua igreja.
 
Reportagem: Gerson Santos
Fotografias: Aílton Silva

Comente